A fenomenologia de Jan Patočka

  • Renaud Barbaras Université de Paris I - Panthéon-Sorbonne

Abstract

A constituição do pensamento de Patocka (1907 -1977) confunde-se com uma meditação sobre a obra de Husserl e a significação da fenomenologia. Toda a reflexão de Patocka consiste numa crítica a Husserl realizada em nome da inspiração fundamental do fundador da fenomenologia: essa crítica visa, principalmente, o subjectivismo da fenomenologia husserliana. Assim, a fenomenologia a-subjectiva de Patocka surge como uma resposta à fenomenologia subjectiva de Husserl, enquanto forma errada ou degradada da fenomenologia. Ao contrário de Descartes e mesmo de Husserl, Patocka não aborda o sujeito como uma existência exigindo a determinação da sua essência. A subjectividade do sujeito fundamenta-se na sua corporeidade que se enraíza num mundo ao qual ela reage pelos seus movimentos. Neste sentido, a fenomenologia a-subjectiva não é tanto a negação da subjectividade, mas um aprofundamento do verdadeiro modo de ser de que ela depende, bem como da sua relação constitutiva com a transcendência prévia do mundo.

Published
2006-04-03
How to Cite
BARBARAS, Renaud. A fenomenologia de Jan Patočka. Phainomenon, [S.l.], n. 11, p. 77-99, apr. 2006. ISSN 2183-0142. Available at: <http://phainomenon-journal.pt/index.php/phainomenon/article/view/93>. Date accessed: 21 july 2018.
Section
Articles